sexta-feira, 9 de setembro de 2011

ACARICIANDO O SILÊNCIO


   NALDOVELHO

   Existe um momento mágico
   onde o poeta em contemplação
   acaricia o silêncio
   antes de transformá-lo em verbo.

   Este instante único
   que palavra alguma traduz,
   é o sopro divino sobre algo
   que ainda não existe
   transformando-o em Luz.

   A prova disto é a poema
   que alimenta sentimentos sagrados
   e faz do poeta um arauto,
   mensageiro de tantos significados,
   um ser ungido por forças
   que a mão de Deus conduz.

   E quando este poema está pronto
   e não mais pertence ao poeta,
   ele volta a acariciar o silêncio
   a procura de sementes de versos,
   observador privilegiado
   do que a existência produz.

5 comentários:

  1. Linda carícia amigo.
    Vc sempre me surpreende.
    Abraços
    Uly

    ResponderExcluir
  2. Nossa Naldo Velho, é isso mesmo.
    Perfeita tradução.
    "a procura de sementes de versos", profundo demais.
    Beijoooo

    ResponderExcluir
  3. Saudades suas amigo poeta,poema esplendido,que seu momentos sejam sempre mágicos como seus textos,abraço

    ResponderExcluir
  4. Belíssimo, meu amigo... belíssimo...

    ResponderExcluir