sexta-feira, 4 de agosto de 2017

TODOS OS CAMINHOS

    NALDOVELHO

    Fio, pavio, arrepio...
    a possibilidade do desafio,
    a complexidade da engrenagem,
    a necessidade de se sair em viagem,
    o medo de tropeçar nas próprias pernas,
    a imponderabilidade das coisas eternas,
    a dança perversa das horas,
    a inquietude que às vezes aflora,
    a indisfarçável esperteza do tempo,
    a instabilidade característica dos ventos,
    a calmaria que assola meus dias,
    a vontade de me abraçar na poesia,
    as lágrimas que me suavizam a alma,
    a palavra que provoca e acalma...
    Tudo conspira para uma nova dança,
    o fogo que mantem acesa a esperança,
    a constatação de que todos os caminhos são Seus
    e que a cada passo maior é a minha crença em Deus.