domingo, 25 de setembro de 2011

E SE FOSSE UM DOS SEUS? (ARQUIVO)


   João Helio Fernandes Vieites morto em 07/02/2007
   
   NALDOVELHO

   Mistura de cores, odores, ruídos,
   minha cidade transpira horrores.

   Cães enlouquecidos passeiam impunemente
   e nas esquinas um sorriso amarelo
   não consegue esconder o desconforto,
   por ruas e praças desertas,
   janelas e portas fechadas
   e um absurdo de lamentos:
   mais um ousou e caiu!

   Ousou amar seu caminho,
   fazer filhos, construir uma casa,
   cultivar flores sem espinhos;
   cantar cantigas de roda,
   andar pelas ruas sem pressa,
   namorar madrugadas de insônia,
   parar no sinal amarelo...

   -Perdeu, perdeu, perdeu!

   Um corpo arrastado pelas ruas,
   fio interrompido, loucura,
   criança ainda, seis anos!
   
   E a baba do tinhoso
   espumando pra todo o lado.

   Minha cidade hoje chora,
   clama por justiça e se desespera,
   põe rosas brancas nas janelas,
   e aqueles que devem não querem,
   se escondem em castelos e ignoram
   a dor que consome as entranhas
   e as marcas deixadas no asfalto.

   Não há nada de novo nas horas!
   Nada que aconteça os comove.
   E se fosse um dos seus?

Um comentário:

  1. E talvez seja a pergunta qual deveriamos nos fazer sempre!

    ResponderExcluir