sexta-feira, 5 de agosto de 2011

TENHO PENA

   NALDOVELHO

   Tenho pena daquele
   que não sente as dores do mundo,
   que não sabe que é na madrugada
   que o tempo mata sua sede
   nas gotas frescas de orvalho,
   que nem desconfia que a lua
   guarda segredos indecentes,
   e que é no nascer do dia
   que a estrela da manhã
   abençoa os descontentes.

   Tenho pena daquele
   que só consegue caminhar
   pelo lado certo da estrada,
   que nunca ousou um atalho,
   e nem se feriu em espinhos,
   que não sabe dos descaminhos,
   nunca se percebeu atraído
   por uma trilha que não vai dar em nada,
   e nem foi considerado culpado
   num beco sem saída e enlameado.

   Tenho pena daquele
   que consegue rir à toa,
   e tem sempre uma palavra
   a enaltecer suas escolhas,
   que não cometeu pecados
   ao sonhar com a vizinha do lado,
   ou que num tropeço não tenha chorado,
   ou praguejado por viver um tempo no limbo,
   pois ele só conhece o Verbo por ouvir falar,
   não saberá cair para depois se levantar.


   I'M SORRY
   NALDOVELHO

   I'm sorry that
   She doesn't feel the pains of the world,
   who doesn't know that it is at dawn
   time kills its quenching thirst
   in fresh drops of dew,
   that not suspect that the Moon
   indecent, guard secrets
   and that is in the daybreak
   the morning star
   bless the discontented.

   I'm sorry that
   that can only walk
   by the right side of the road,
   who never dared a shortcut,
   and neither was hurt on thorns,
   who doesn't know of wrong ways,
   never realized attracted
   by a trail that won't give anything,
   and neither was found guilty
   in a dead-end and muddy.

   I'm sorry that
   who can laugh at random,
   and always has a Word
   the emblazon your choices,
   that did not commit sins
   the dreaming with neighbouring side,
   or that a stumbling hasn't cries,
   or cursed by living a while in limbo,
   because he only knows the verb hear talk,
   will not fall after getting up.

   Translation for English by Marlene Nass

10 comentários:

  1. Desole(e)

    NALDOVELHO


    Je suis désolé que
    Elle ne sentirait pas la douleur du monde,
    qui ne sait pas que c'est à l'aube
    temps tue son siège
    de fraîches gouttes de rosée,
    que ne pas soupçonner que la Lune
    indécent, garder les secrets
    et c'est dans l'aube
    l'étoile du matin
    bénir les mécontents.


    Je suis désolé que
    qui peut marcher seul
    par le côté droit de la route,
    qui a jamais osé un raccourci,
    et n'a été blessé sur les épines,
    qui ne connaît pas de mauvaises manières,
    jamais réalisé a attiré
    par un sentier qui ne donnera rien,
    et aucun n'a été trouvé coupable
    dans une impasse et boueuses.


    Je suis désolé que
    qui peut rire au hasard,
    et a toujours un mot
    l'emblazon votre choix,
    qui n'a pas commis de péchés
    le rêve à côté de voisine,
    ou que les trébuchements n'a pas des Cris,
    ou maudit par vivre un certain temps dans les limbes
    parce qu'il ne sait que le verbe entendre parler,
    ne tombera pas après se lever.


    Traduction de Français par Marlene Nass

    ResponderExcluir
  2. Há tempo pra nascer,,,há tempo pra aprender!!!! nesse tempo despertamos pra vida além do tempo que esperamos..... a única certeza é que nada fica perdido, o tempo cuida de cada planta, de cada flor , e cada riso,,,, na linha do tempo, o homem cresce, caminha, cai e levanta... vence e ama!
    lindo poema, adorei!!!! abraços Naldo,,,bom sábado pra ti....bjos sonia santana

    ResponderExcluir
  3. Olá meu amigo...também penso assim...arriscar-se a ser feliz, faz parte da plenitude de vida...um sábado iluminado pra vc..abreijos, guida

    ResponderExcluir
  4. Eu tbm tenho pena daqueles que só conseguem viver pela metade e não enxergam a vida em suas diversas facetas. Abençoados aqueles que fazem de suas dores e de suas alegrias, um projeto para viver melhor nesse mundo! Muito bom, poeta Naldo Velho! Beijos no coração

    ResponderExcluir
  5. Passando Para Colher,
    Pétalas De Seu Belo Tecer,
    Aplausos Poéticos Ao Que Acabei De Ler,
    Paz, Saúde, Luz e Muitas Alegrias Em Seu Entardecer!!!

    Pequena Poetisa-Vana Fraga

    ResponderExcluir
  6. Lindo poema cheio de lirismo e um toque de melancolia ... muito bom ...maravilha !

    ResponderExcluir
  7. Pena dos que nunca se atrevem!
    Bravo Naldo!

    ResponderExcluir
  8. Para a gente saber se um poema é um poema, penso que a gente tem que se
    perguntar se gostaria de tê-lo feito. Olha, em cada verso eu me vi, só que não pensei, e aí é que tá a genialidade, "por que eu não pensei nisso antes?". É isso e muito mais que isso, é O BARDO DAS SOMBRAS. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  9. Pobre daquele que não viveu!
    Belíssimo, Naldo!
    Abraços

    ResponderExcluir
  10. So beautiful, Naldo, deeply beautiful!

    ResponderExcluir