domingo, 28 de agosto de 2011

ESTRANHA CRIATURA


   NALDOVELHO

   Estranha criatura
   que me habita a clausura,
   que traz marcada na fronte
   os sinais de tanta loucura,
   mostra a cor dos teus olhos,
   injeta em meu corpo a peçonha,
   desentranha de mim a ternura,
   descortina o ser que ainda sonha,
   faz-me quebrar a vidraça,
   arrombar a porta da rua,
   sentar no banco da praça...
   Quem sabe a coragem se exponha
   e me faça sorrir sem-vergonha?

   Quem sabe a esfinge que grita
   no fundo do poço que habita,
   possa enfim revelar meus mistérios?
   Quem sabe o homem que eu penso
   seja, então, levado a sério? 
   Quem sabe a criança que dorme
   possa acordar deste sonho
   e ser muito mais que eu proponho?

   Criatura estranha
   que guarda preciosos guardados,
   que traz marcada na fronte
   a inquietude dos poetas,
   mostre-me a força do seu verso,
   quem sabe eu consiga entender?

3 comentários:

  1. A força do verso já é demonstrada na beleza do poema.
    Parabéns, Naldo!

    ResponderExcluir
  2. Tanta esperança há no coração do maravilhoso poeta...Lindo, Naldo, bjs

    ResponderExcluir
  3. Lindo poema, cheio de muita esperanças no coração de um poeta cheio de amor para nos transmitir.Parabéns!!

    ResponderExcluir