domingo, 21 de agosto de 2011

SEMENTES DE SONHO


   NALDOVELHO

   A alma que eu tenho caminha 
   por trilhas que sequer foram abertas,
   clareiras, sagradas descobertas,
   e por lá colhe sementes de sonho,
   ervas, preciosos remédios,
   coisas cristalinas verdades,
   algumas ainda não entendo,
   outras nem sei como contar.
   Muitas são as prendas que trago
   e eterno é o tempo que tenho;
   quem sabe eu possa lhe mostrar?

   Às vezes ela caminha
   lado a lado com a inquietude
   e chora em silêncio entre escombros,
   lamenta portas e janelas fechadas, 
   muros de pedra, portões de ferro e cadeados,
   grades pra todo o lado,
   e as pessoas prisioneiras de um tempo
   onde a felicidade a qualquer preço
   é a inconsciência que costumam demonstrar.

   E aí eu invento um poema,
   um caminho de palavras "fazedeiras"
   que possam ser para os cadeados a chave
   a permitir a libertação do sorriso
   e a nos trazer ares de delicadeza,
   pois o tempo que eu preciso e sonho
   é fruto de um caminho suave
   onde a compreensão possa nos alcançar.

   Minha alma caminha atenta
   e adquire em sua trajetória bagagens,
   coisas preciosas que ensinam
   que o tempo certo é o sempre
   e que a cada dia eu renasço
   num outro trecho da estrada
   e por lá espalho sementes de sonhos;
   quem sabe vocês possam me ajudar a cultivar?

3 comentários:

  1. Querido amigo Naldo
    tens uma alma linda, generosa que por onde passa
    vai semeando letras, palavras e rimas e nos presenteia
    a cada dia, tornando o nosso caminho mais suave,
    mais humano e mais florido. Feliz dia do poeta!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Naldo, são versos de uma alma bela que se completa em poesia.
    Muito profundo!

    ResponderExcluir