domingo, 24 de julho de 2011

A LINGUAGEM DAS SOMBRAS

   NALDOVELHO
  
   Ando aprendendo a linguagem das sombras.
   Não das que causam arrepio,
   mas das que evidenciam contornos
   num plano pleno de luz que absorvo.

   Outro dia consegui ler um rochedo
   com toda sua história ali preservada...
   Só agora eu consigo entender
   a aspereza que trago comigo.

   Ando aprendendo a exercer sutilezas
   só assim poderei caminhar pelas sombras,
   não aquelas que nos provocam o medo,
   mas as que nos vivenciam os rochedos.

   Outro dia consegui desvendar um enredo
   com todos os seus numerosos segredos,
   quantos e preciosos caminhos,
   emaranhados de muitos destinos.

   Ando exercendo a palavra delicadeza,
   poemas semeados sem pressa.
   Qualquer dia desses vou adormecer riacho,
   acordar corredeira, morrer em seus braços,
   renascer em você.

   Ando aprendendo a exercer existências.

8 comentários:

  1. Oi.bom estar aqui em teu blog, lendo e admirando tuas maravilhosas poesias!!!Parabens, como sempre...me emociono com teu trabalho!Feliz dia do escritor!Sucesso, sempre!
    bjos
    helo crosio

    ResponderExcluir
  2. Naldo, não sei definir onde, exatamente, voce me lembrou Manoel de Barros, gosto muito dele e muito de Naldo Velho. Acho que a maneira de ver e detalhar a vida cravada em cada coisa que é tão peculiar em Manoel de Barros é também uma linha tênue que o separa de Naldo Velho. Olha só:"Outro dia consegui ler um rochedo"...acho que não estou errada. Me perdoa, mas só me atrevi a comparar porque gosto demais dos dois.
    Um abraço, professor!
    Damáris

    ResponderExcluir
  3. THE LANGUAGE OF THE SHADOWS

    NALDOVELHO

    I'm learning the language of the shadows.
    Not that causes shivering,
    but those that show outlines
    in her glide full of light that I absorb.


    The other day I read to rock
    with all its history there preserved...
    Only now I understand,
    the roughness that I bring with me.

    I'm learning you it exercise subtleties
    the only way I can walk by the shadows,
    not those that causes us fear,
    but the we experience the rocks.

    The other day I managed you it unravel the plot
    with all its many secrets,
    How many precious and paths,
    tangles of many destinations.

    I'm exercising the delicacy,
    poems sown without hurry.
    Any of these days I'll fall asleep Brook,
    wake up, falls die in your arms,
    reborn in you.

    I'm learning you it fish stocks.

    Translated into English for Marlene Nass.

    ResponderExcluir
  4. Poeta Naldo Velho! Adorei sua linguagem das sombras...
    que inspiração...e imaginação belíssimas com as palavras
    se encaixando...formando assim...esse belo poema!!!
    Sinceramente...fiquei encantada!!!
    Parabêns Poeta!!!
    Carmencita Vesper.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia meu amigo...teus versos jorram como cascata de luzes na escuridão. Ótima semana pra vc...abreijos, guida

    ResponderExcluir
  6. Meu bom e velho Naldo, só vc consegue manter o nível de assombro, de tristeza, num poema de estilo gótico e sombrio e retirar dele tanta beleza! Obrigado, meu poeta, pela grandeza de sua poesia!

    ResponderExcluir
  7. Santa existência!
    Parabéns, sempre, Naldo!

    ResponderExcluir
  8. "exercer existências"... lindo isso. :)

    ResponderExcluir