sexta-feira, 29 de julho de 2011

DOR DE MIM MESMO

NALDOVELHO

Os remédios para as feridas do corpo
não curam as dores da alma.
Preciso seriam, numa só vida,
mil mortes para apaziguar esses ais.

E mil vezes eu morrerei e a cada dia renascerei
disposto a aprender o que ainda não sei
e a redimir excessos, me livrar dos supérfluos,
extrair pedaços e criar outros espaços,
abrir fronteiras, cometer novas besteiras...

E a cada ferida curada outras eu abrirei,
e a cada armadilha desarmada
em outras me aprisionarei,
pois este é o meu rito, a minha lei.

Os remédios para as feridas do corpo
apenas aliviam desconfortos,
pois as dores que me acossam a alma,
só depois que morrer de mim mesmo
apaziguarei.

INSPIRADO NO POEMA AS MORTES DE
TANUSSI CARDOSO

SUA BENÇÃO MEU MESTRE!


AS MORTES
Tanussi Cardoso

quando o primeiro amor morreu
eu disse: morri

quando meu pai se foi
coração descontrolado
eu disse: morri

quando as irmãs mortas
a tia morta
eu disse: morri

depois, a avó do Norte
os amigos da sorte
os primos perdidos
o pequinês, o siamês
morri, morri

estou vivo
a poesia pulsa
a natureza explode
o amor me beija na boca
um Deus insiste que sim

sei não
acho que só vou
morrer
depois de mim


9 comentários:

  1. Que maravilha Poeta....belissimo!!

    ResponderExcluir
  2. NALDOVELHO


    The remedies for the wounds of the body
    not heal the pains of the soul.
    Need be, in one life,
    thousand deaths to appease these ais.


    And a thousand times I will die and every day renascerei
    willing to learn what we don't yet know
    and redeem excesses, get rid of superfluous,
    extract bits and create other spaces,
    Open borders, committing new bullshit ...


    And each wound healed other I I will open,
    and every trap unarmed
    in other me aprisionarei,
    because this is my spirit, my law.


    The remedies for the wounds of the body
    only relieve discomforts,
    because the pains that I dog the soul,
    only after dying of myself
    apaziguarei.

    ResponderExcluir
  3. "Os remédios para as feridas do corpo não curam as dores da alma"...eita, verdade! É isso, e assim vamos sufocando nossos "ais" e levando a vida adiante!!! Beleza, poeta! Parabéns e forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Meu querido amigo...certa vez me disseram que tudo na vida se transforma em combustível para a inspiração poética, e cada vez mais me convenço disso, seja na alegria ou na dor, o poeta transcende a si mesmo, clareando tudo com a sua emoção mais funda e o pensamento desvelado. Bom fim de noite....abreijos, guida

    ResponderExcluir
  5. BELISSIMO E VERDADEIRO MUITO BOM MESMO.Ilca Karla Santos

    ResponderExcluir
  6. Meu caro amigo, Naldo Velho. Não sei o que mais admiro em vc: se o ser humano generoso e solidário, ou se o grande poeta, que consegue transformar em beleza tudo o que se chama de vida. Uma coisa é certa: quero estar sempre por perto, para aprender essa Revolução Humana, essa semente gerada dentro de vc e que se transforma em puro amor, em mágica poesia. Obrigado, Naldo Velho, por manter acesa no peito a eterna juventude dos dias. Obrigado, meu mano, por existirmos um no outro. Beijão meu. TANUSSI CARDOSO

    ResponderExcluir
  7. Lindo, Naldo! Assim como o do Tanussi! Parabéns, queridos poetas!

    Bjs,
    Raquel.

    ResponderExcluir
  8. Que poema lindo!!! Humano, sem máscaras. Poesia pura! TANUSSI CARDOSO, também genial!

    ResponderExcluir