sexta-feira, 18 de setembro de 2015

DE NADA ME ADIANTARIA

    NALDOVELHO


    Eu poderia estender minha mão
    e tocar a linha do horizonte,
    mas de que me adiantaria,
    se do teu rosto eu continuaria distante?

    Eu poderia escrever mil poemas
    e neles declarar aos quatro ventos
    o amor que eu amo,
    mas de que me adiantaria?
    Se ainda assim eu não poderia
    pronunciar teu nome.

    Eu poderia rasgar
    tuas cartas, retratos, bilhetes,
    fugir como se fora um covarde,
    caminhar pela vida sem fazer alarde,
    mas de que me adiantaria?
    Se ainda assim eu adormeço
    e ao acordar permaneço um poeta.

    Eu poderia me negar mil vezes,
    cortar meus pulsos, eviscerar-me,
    de que me adiantaria?
    Se além de mim mesmo, sobreviveria
    o amor que eu sinto, a dor que eu tenho...

    Não! De nada me adiantaria!


Um comentário:

  1. Passando pela net encontrei o seu blog, estive a folhear achei-o muito bom, feito com muito bom gosto.
    Tenho um blog que gostava que conhecesse. O Peregrino E Servo.
    PS. Se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais faça-o de forma a que eu possa encontrar o seu blog para o seguir também.
    Que haja paz e saúde no seu lar.
    Com votos de saúde e de grandes vitórias.
    Sou António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir